Curdistão // Zilan Dyar: “O nosso objectivo é construir uma ligação entre as nossas práticas revolucionárias e uma ciência social.”~ 16 min

Zilan Dyar, representante do Movimento de Mulheres Curdas

Por Bruno Garrido

Quando realizámos esta entrevista, as greves de fome ainda continuavam nas prisões turcas. Recentemente o movimento decidiu terminar a sua acção após o cumprir das suas exigências.

Conversámos com Zilan Dyar, representante do Movimento de Mulheres Curdas. Falámos sobre a história da Jineolojî, a forma como estão estruturadas as organizações de mulheres e as evoluções nas relações com os movimentos feministas ocidentais. Falámos também sobre Bakur, uma região pouco discutida, e sobre as lutas nas prisões turcas contra o regime de Erdoğan.

Conteúdos

Bruno Garrido // Podes explicar-nos brevemente o que é a Jineolojî?

Zilan Dyar // Podemos definir Jineolojî como a acumulação da experiência de 40 anos do movimento de mulheres curdas. Nestas 4 décadas de luta, conseguimos avanços concretos. Seguindo o sistema do confederalismo democrático, existem hoje em dia cooperativas, academias e organizações geridas por mulheres nas quatro partes que compõem o Curdistão. Ao longo deste processo, vimos o quão profundo é o patriarcado.

O nosso objectivo – e também como indica o líder Öcalan – é construir uma ligação entre as nossas práticas revolucionárias e uma ciência social. O que vemos no mundo inteiro, é que muitos processos revolucionários acabaram porque não conseguiram ter uma base de análise científica sobre os seus próprios processos. É uma necessidade do nosso próprio movimento.

Como mulheres, a nossa própria necessidade é a de ver a mulher de um ponto de vista mais científico. Abdullah Öcalan diz que as mulheres são as pessoas sobre quem o mundo mais mentiu . Desde o início da sociedade, há 5000 anos, o patriarcado construiu a imagem da mulher através de mentiras e omissões. É necessário perceber os pontos em que essas mentiras foram construídas para poder chegar a uma análise mais científica. A análise não pode ser parcial porque as diferentes opressões não podem ser analisadas parcialmente.

Jineolojî procura fazer uma análise dos problemas sociais desde a perspectiva da mulher. Procuramos analisar esses problemas através dos saberes e emoções das mulheres para, desta forma, construir a relação entre mulher e natureza, vida e sociedade. Jineolojî existe como conceito há 11 anos, e de uma forma mais prática desde há 8. A ideia de Jineolojî é responder às necessidades locais e por isso a prática depende do território onde se aplica. É uma ciência em construção, sem método ou conceitos pré-determinados porque depende da zona onde esteja a ser praticada.

O primeiro passo passa por construir uma outra ciência, baseada na perspectiva da mulher para depois encontrarmos métodos próprios. Mas isso não chega, precisamos mesmo de pôr em prática.

BG // Apontas problemas à forma como se desenvolvem as ciências sociais, e as omissões que provocam…

ZD // A nossa crítica centra-se no facto da base metodológica das ciências sociais ser problemática, pois omite a mulher. Jineolojî procura inverter essa base metodológica. O positivismo excluiu o conhecimento que as mulheres têm através das suas próprias experiências, dividindo a sociedade entre objectos e sujeitos quando está a fazer a sua análise. Outro ponto a referir é o facto de as ciências sociais afirmarem que existem para resolver os problemas da sociedade, mas colocam uma barreira entre a ciência e a sociedade. Mesmo as pessoas que se identificam como anti-sistema pensam através deste método de ciências sociais. Para nós, mulheres curdas, acabar com essa mentalidade [positivista] é por si só, ser anti-sistema.

Illustration of Kurdish woman making the V sign

BG // Que estruturas existem em redor da Jineolojî e do movimento de mulheres hoje em dia?

ZD // Jineolojî nasceu da necessidade de criar uma ciência que tenha a perspetiva da mulher. Até agora temos passado por um processo de auto-identificação. No último ano, fizemos um congresso onde reflectimos sobre o futuro da Jineolojî e sobre o que interessa à nossa ciência pôr em prática. Por exemplo, construir a ligação prática entre Jineolojî e ecologismo, Jineolojî e educação, etc.

Estamos num processo de transição, vemos que Jineolojî tem uma postura integral na forma como analisa a sociedade. No início parecia muito assustador, pensar nas várias caras do mesmo problema. Agora, mesmo ao pensar no problema mais pequeno, procuramos construir uma ligação entre passado, presente e futuro. Decidimos que vamos criar grupos para analisar mais profundamente as diferentes temáticas (religião, mitologia, história…) para, desta forma, criar uma ligação entre os diferentes ramos da ciência e a Jineolojî.

Fazemos uso do conhecimento antigo e do que já foi criado por mulheres, conhecimento esse que foi omitido muitas vezes. Hoje em dia, procuramos fazer novos trabalhos para explicar determinadas temáticas que foram analisadas de forma parcial. Temos um caminho que queremos seguir, e também procuramos abrir novos caminhos ao explorar temas importantes , como a reeducação da sociedade a partir da perspectiva da Jineolojî.

Por exemplo, nas YPJ (Unidade de Protecção de Mulheres) há 127 academias e em cada uma delas é ensinada Jineolojî. Em Rojava temos 4 academias onde formamos mulheres que procuram expandir o ensino desta nova ciência. Temos também centros de investigação de Jineolojî, onde são estudados temas centrais de actuação. Olhamos para a história do Médio-Oriente e procuramos descobrir a história segundo a perspectiva da mulher.

Há também uma Universidade de Jineolojî, que começou com um curso de formação de 2 anos e que neste momento já aumentou para 4 anos. Não devemos entender a Universidade da mesma forma que no Ocidente. A diversidade é grande e procuramos fugir à formação convencional. Criamos um método de socialização da informação, onde não existe a hierarquia professora-aluna. Procuramos encontrar e expandir o melhor de cada mulher, para destruir a mentalidade construída pelo sistema patriarcal.

BG // A Jineolojî procura diálogo com diferentes movimentos feministas. Qual a relação entre feminismo e Jineolojî? Há diferenças entre os feminismos ocidentais e a Jineolojî?

ZD // As mulheres curdas tiveram muita visibilidade e ficaram conhecidas no Ocidente pela sua luta contra o Daesh. Mas fomos sempre analisadas e entendidas de uma perspectiva ocidental. A ideologia por detrás do nosso movimento não foi compreendida. O interesse do Ocidente foi julgar, sob um ponto de vista exótico, as guerrilheiras curdas, sem entender a batalha ideológica por detrás do movimento.

O nosso contacto com os movimentos feministas fortaleceu-se nos últimos anos, especialmente a partir dos anos 2000. Até à construção do novo paradigma, a relação entre feminismos e o movimento das mulheres curdas era uma relação de subordinação, sempre numa óptica de termos de provar o nosso valor. Nós tentámos resistir aos efeitos do feminismo. Neste momento podemos nomear exemplos concretos do que conseguimos até agora com as nossas instituições.

Ás vezes, encontramos problemas em encaixar isto na perspectiva feminista. A relação entre o movimento de mulheres curdas e os movimentos feministas acaba por ser facilitada através da Jineolojî.

Por fim, a nossa crítica fundamental ao feminismo passa por acreditar que nenhuma mulher devia usar a ferramenta principal de que os homens se têm aproveitado: que é de definir ao outra/o. Definir alguém torna-se uma violência porque estamos a encaixar essa pessoa nos conceitos em vez de entender como se definem essas pessoas a elas próprias. Não deveríamos tentar definir as demais pessoas em seu nome. Cada movimento de mulheres deveria fazer a sua própria definição. Não basta encaixar qualquer luta de existência da mulher como feminismo ou incorporá-los. Nós não o tentamos e nem o pretendemos

BG // Dentro do movimento curdo, as ferramentas de análise mais importantes parecem ser género e identidade. Öcalan fala muito sobre o conceito de “Xwebûn” – conhecer-se a si mesma – que se aplicado à Jineolojî, poderá ajudar a explicar o que significa ser mulher. Como analisa a Jineolojî o que é ser mulher?

ZD // Se calhar, as pessoas interpretam-nos mal por usarmos muitas vezes a palavra mulher. O que procuramos é não diferenciar entre homem e mulher, como fazem os homens quando criminalizam a identidade da mulher. Procuramos ir além da biologia e tentar ter uma perspectiva integral para analisar o papel da mulher e perceber / conhecer os valores que as mulheres acrescentam à sociedade.

Xwebûn, como conceito, não e só para as mulheres. Mas, se o quisermos analisar sobre essa perspectiva, primeiro temos a existência, depois a consciencialização dessa existência e depois dar forma. Quando falamos de existência, falamos de rejeitar os vários papéis atribuídos à mulher, para que possa ter uma consciência da sua própria existência. Só depois disso podemos construir uma identidade. Xwebûn não é algo que tenha um fim, é como um caminho que necessitamos de percorrer.

BG // Jineolojî identifica áreas de actuação, às quais propõe uma nova leitura sob o ponto de vista da mulher. Podes dar-nos um apanhado de que áreas são essas? E como funciona a relação entre a prática e a teoria?

ZD // Jineolojî define áreas de actuação dentro da política, história, saúde, economia, ecologia, demografia, ética, estética e educação. Nestas áreas, que se enquadram dentro das ciências sociais, a Jineolojî procura dar uma perspectiva da mulher em cada uma delas. Procuramos também perceber como podemos transformar as instituições existentes a partir dessa perspectiva. Temos dois caminhos paralelos. Há um mal entendido na sociedade, porque muitas vezes as pessoas dizem que temos de vir e intervir em determinado assunto. Mas o que Jineolojî procura é construir uma base, e uma vez que a sociedade tenha essa base, deve ser a sociedade a preencher o conteúdo de cada assunto. De outra forma nunca sairemos da dicotomia do objecto / sujeito, ou seja, estaremos aprisionadas à ciência positivista.

BG // O movimento curdo apela à necessidade de auto-organização como forma de construir estruturas para além do Estado. Quais as ineficiências dos Estados em melhorar a situação das mulheres? Como tem sido a relação do movimento de mulheres curdas e os auto-governos em cidades curdas?

ZD // Não podemos falar em ineficiências do Estado porque a existência do Estado é por si uma existência contra a sociedade, porque em qualquer lugar onde o Estado esteja institucionalizado há práticas misóginas. É melhor não termos Estado. A Jineolojî procura construir alternativas em zonas nas quais o Estado ainda não chegou. Pessoalmente, acho que não existam lugares onde o Estado ainda não tenha chegado. O que procuramos fazer, é desconstruir essa mentalidade misógina e desconstruir as instituições do patriarcado.

O movimento das mulheres trabalha em paralelo com os governos auto-geridos. Isso não quer dizer que sejam totalmente diferentes, mas que em qualquer lugar em que seja necessário eleger uma representação relacionada com as mulheres, somos nós, movimento das mulheres que a elegemos. O movimento das mulheres tem uma função importante dentro da sociedade porque, às vezes, as urgências sociais trazem consigo o risco de desvios dos princípios acordados entre todos e todas. Desvios como populismos ou centralização do poder. Nestes casos, o movimento das mulheres é importante enquanto mecanismo de controle, a partir dos valores pré-definidos da sociedade.

Eu vi isto [acumulação de poder, misoginia] acontecer muitas vezes. Por exemplo, uma vez tivemos um homem que se relacionou com várias mulheres, todas casadas. Cada vez que essas mulheres se davam conta de que esse homem estava a construir uma rede de abuso de mulheres, foram ameaçadas por ele. Dizia-lhes que se tomassem alguma atitude contra ele, ele iria falar com o marido de qualquer uma delas. Então, a decisão geral do movimento [de libertação curdo] foi forçar o homem a indemnizar economicamente cada uma dessas mulheres. Mas o movimento de mulheres posicionou-se firmemente, dizendo que a retribuição por tal abuso não podia ser material. A solução deve passar por resolver as causas sociais deste tipo de actuações, dando seminários e educando a sociedade para que a visão geral negativa sobre as mulheres possa ser transformada.

Outro exemplo: o movimento das mulheres intervém nas decisões do movimento geral, quando vê que as práticas que o movimento quer seguir são populistas, pragmáticas e se esquecem da parte de consciencializar / educar a sociedade. As mulheres tomam as rédeas e dizem que devemos seguir outro tipo de caminho, levando a uma maior consciencialização do movimento no seu todo.

BG // Que perspectivas vês para o futuro da Federação Democrática do Norte e Este da Síria, agora que o fim territorial do ISIS é uma realidade?

ZD // Muito brevemente, Rojava não começou com o Daesh e não vai acabar com ele. O que tentamos construir ali é uma sociedade anti-sistema. O que significa que temos um risco constante, porque a nossa luta é contra o sistema, contra o capitalismo.

BG // Leyla Güven e centenas de outras revolucionárias continuam em greve de fome. Desde Leila Khaled até Angela Davis, foram muitas as mostras de apoio. Porém no Ocidente, estes actos tem sido silenciados. Porque crês que isso acontece?

Leyla Güven realizou greve de fome durante 200 dias. Ao longo da acção mais de 7000 pessoas juntaram-se à greve de fome.

ZD // É uma pergunta importante, mas vemos o mesmo silenciamento no Ocidente em várias questões. Por exemplo, Rojava é importante e muitas pessoas falam dela, mas ninguém quer falar da situação de Bakur. Os militantes são importantes, mas silenciam o nosso líder. Então, vemos que sempre que assuntos ligados ao movimento curdo são falados no Ocidente, é sempre de uma forma parcial. Porque há um líder cuja ideologia é uma resposta para o povo curdo, mas também para todos os grupos que vivem no Médio-Oriente, e vem com uma resposta à situação caótica em toda a zona.

As propostas de Öcalan para a paz na Turquia foram muito simples. Só que o que acontece na Turquia desde 2005 é um avançado estado de fascismo, que está a criminalizar todas as pessoas que não alinham nas práticas do partido no governo [AKP]. A acção de Leyla Güven é para acabar com esse fascismo avançado, não quer que morram mais pessoas.

Até agora a perspectiva dominante para o regime era isolar Öcalan do povo curdo. Ninguém falava da relação entre as duas partes. Com esta acção foi muito visível que há uma relação muito forte entre Öcalan e o povo curdo.

Precisamos de visibilizar a revolução que está a acontecer naqueles territórios. A acção da greve de fome foi uma iniciativa própria da Leyla Güven. Devemos mostrar todo o nosso apoio e visibilizar a sua luta. É uma mulher que se opõe frontalmente ao Estado e que pretende construir a paz conjuntamente com a sociedade. Só por essa razão creio que devemos apoiá-la sem questionar as suas razões. Porque é uma resistência e porque esta é uma resistência que se desenvolve em torno de uma mulher, que não se rende à realidade forçada sobre ela, sobre a sociedade.

BG // Efectivamente, quando falamos do movimento curdo, a primeira coisa que nos vem à cabeça é Rojava e esquecemos outras zonas. Por exemplo, em Bakur, a zona de onde és natural, podemos observar um processo revolucionário semelhante ao de Rojava e que tem sido brutalmente reprimido por Erdoğan . O que nos podes contar acerca de Bakur?

ZD // Bakur é a zona onde nasceu o movimento, onde nasceu a nossa cultura e, também por isso, onde se iniciou a resistência contra o regime. O povo de Bakur esteve sempre sujeito ao genocídio. Também em Bashur, a situação é semelhante. Só que ali, as pessoas ficaram cansadas com as mortes, ganharam cada vez mais medo e decidiram seguir outro caminho e fazer parte do sistema. Em Bakur, desde a formação da república turca, houve sempre resistência e não se desistiu da luta.

Por exemplo, o silêncio das resistências em Sur e Cizre, com os auto-governos curdos, vai ficar na nossa memória colectiva como um dia vergonhoso para a humanidade. Vamos precisar de centenas de anos para curar o trauma ali vivido. Essa resistência acabou com um genocídio e poucas pessoas no mundo saberão o que ali aconteceu. As Nações Unidas publicaram o primeiro relatório do massacre, mais de seis meses depois dos acontecimentos.

O Estado está a tentar matar a vontade do povo de se auto-organizar, e a vontade de decidir sobre a sua própria vida. Falharam na sua missão, queriam voltar à época das primeiras Serîhildan [resistência dos anos 90] onde o medo não deixava que ninguém actuasse. O Estado criou uma atmosfera de morte, mas desta vez não conseguiu, porque essa zona tem uma semente forte. O PKK diz que “somos herdeiros dessa semente”; o partido conseguiu criar uma cultura de resistência e, por isso, o Estado nunca conseguiu acabar com o povo de Bakur.

Passaram 134 dias desde o início das greves de fome nas prisões da Turquia, só que muita gente pensa que já não existe resistência em Bakur. Isso não é verdade. Se uma só mãe continua em frente à prisão enquanto está rodeada pela policia, segue a resistência. Entre 2009 e 2015, as pessoas estiveram sempre nas ruas. Para mim, se hoje em dia apenas uma pessoa continua na resistência, isso significa uma mostra de algo maior. Há muitos anos atrás a resistência também começou assim, com uma só pessoa, com Mazlum Doğan.

BG // Como foi o teu contacto com os movimentos feministas em Portugal?

Encontro de Coimbra reuniu mais de 30 mulheres de diferentes movimentos de Portugal

ZD // Como não temos um idioma em comum, é difícil dizer muito em detalhe e é difícil construir uma relação mais aprofundada. Mas também não estou aqui como pessoa individual. Tenho a honra de representar todos os valores do movimento curdo e agradeço muito a todas as mulheres que me deram esse papel de representação.

BG // Tens algum sonho pessoal?

ZD // Se a resistência não fosse tão forte / difícil, pelo período agitado em que estamos neste momento, eu gostaria de falar mais das pessoas cujas as histórias foram invisibilizadas pelo mundo. Acho que conseguimos criar uma cultura de valorizar as mártires. Existem tantas mulheres que não conhecemos com histórias que merecem ser contadas. Eu, pessoalmente, gostaria de registar e divulgar essas histórias – algumas das quais eu também vivi. Não sei de que forma, mas gostaria muito de fazer isso.

Gostaste do artigo? Considera subscrever a newsletter. Permite-nos chegar a ti directamente e evitar a censura das redes sociais.

Sigam o nosso trabalho via Facebook, Twitter, Youtube, Instagram ou Telegram; partilhem via os bonitos botões vermelhos abaixo.

Right Menu Icon